Faltam 27 dias…

by

Arthur nasceu no dia 16, sexta-feira. Sua pega foi boa de imediato, porém, na segunda-feira, começou o problema da amamentação. Por sorte, M. (parteira) estava aqui numa consulta pós-parto quando o Arthur começou a chorar bastante. O leite não desceu e ela percebeu bem mais rápido que eu o motivo do choro e irritação com o peito: fome. Ela deu uma seringa de água glicosada com sonda no dedo e eu só fazia chorar. O Arthur se acalmou na hora. Comecei a tomar imediatamente motilium de 8 em 8 horas, preparo de semente de algodoeiro e chá da mamãe da Weleda aos montes.

Continuei oferecendo o peito e à tarde a A.P. (pediatra, amiga e mãe de um bebê de 6 meses) nos trouxe leitinho, acho que 80ml. Esse leite foi dado naquela tarde e depois à noite, através de sonda (translactação), assim ele também mamava meu colostro e estimulava para a descida do leite. À noite, compramos uma lata de Nan, pois não sabíamos se o leite que a A.P. deixou seria suficiente. E realmente precisamos oferecer uns 30ml.

Não estabelecemos horários. Oferecia meu peito e só entrava com o complemento quando percebia que meu bebê estava com fome, sempre com a sonda.

Na terça-feira a A.P. trouxe mais 140ml de leite e ainda precisamos complementar com Nan. Verificamos que a quantidade de colostro aumentara um pouco e parecia começar a mudar de cor. O Arthur não me deixava dormir, ficava no peito o tempo todo, ou no colostro somente ou na translactação. Eu estava muito cansada. A M. sugeriu que meu marido ficasse com ele por algumas horas para eu dormir e oferecesse complemento no copinho ou colherinha. Eu confesso que resisti à idéia, pois pelo menos o complemento estava sendo dado nas mamadas. Estava muito triste, cansada, chorando bastante e sabia que isso não ajudava a descida do leite, mas não me conformava em não conseguir alimentar meu filho.

Na quarta-feira por volta das 6h da manhã, com o Arthur chorando de fome enquanto eu oferecia o peito, depois de mais uma noite toda praticamente sem dormir, me rendi. O papai foi cuidar dele e eu fiquei dormindo. Meu marido ofereceu Nan de colherinha, mas conseguiu dar apenas uns 15ml, pois disse que ficou morrendo de dó de alimentá-lo daquele jeito. Quando voltou a querer mamar, me trouxe e eu ofereci o peito, como de costume, pois o complemento era oferecido apenas quando chorava de fome durante as mamadas. Ficou nesses 15ml de Nan e no meu peito até à tarde, quando a A.P. chegou dizendo que derrubou os potinhos com o leite que me traria. Mas então o colostro já estava mesmo era com cara de leite, sem pojadura, bem discreto, meu leite apareceu.

A partir de então não precisei dar mais complemento, meu leite aumentou e está sendo suficiente, apesar de não ser abundante. Entre quarta e sexta-feira ele engordou 60gr.

(…)

Não é fácil ver seu filho chorando de fome, precisar complementar, mas bastou uma boa orientação, apoio e perseverança que consegui. Ouvi de muita gente que isso é normal, que se não desse certo, eu devia dar mamadeira e pronto. E inúmeros exemplos de mulheres que não tiveram leite. Esses comentários me entristeciam, pois eu me sentia frágil e não precisava ouvir aquilo, mas sentia mesmo muita pena de saber quantas mulheres e bebês sequer tiveram a chance de tentar.

Por sorte faço parte dessa lista, cujos exemplos eu me lembrava para me encorajar, conheci pessoas maravilhosas como A.P., que sempre agradecerei pela dedicação e doação para eu conseguir amamentar. E não posso deixar de agradecer M. e P., sempre atenciosas e disponíveis, à minha mãe, que ficou ao meu lado e rezou muito por nós e principalmente ao Emiliano, que dividiu comigo cada mamada, cada choro, cada sorriso.

Dani Garbellini, mãe do Arthur

Comentários da Matrice

Essa é uma história de amamentação com início difícil, tão comum hoje em dia. Este relato foi escrito apenas dez dias após o nascimento do bebê. Para vocês verem como tudo é muito rápido na amamentação e ajudar a mãe a ganhar confiança na sua capacidade de amamentar é essencial para o sucesso da amamentação, mesmo quando nada dá errado!

Lembrem-se que:

– O colostro é uma mistura valiosíssima de anticorpos e nutrientes, que é produzida pela mãe em pequenas quantidades, mas suficiente para a criança em seus primeiros dias.

– a chegada do leite pode ser um processo menos definido do que as palavras levam a crer. Existe leite no colostro e o colostro continua existindo no leite por pelo menos mais alguns dias. A tão esperada “descida” do leite pode variar de mãe para mãe. Para algumas mães em dois dias o leite já desceu, para outras pode levar quase uma semana. Não existe um prazo exato para a descida deste leite, portanto relaxe e ponha seu bebê para mamar!!!

– a necessidade da mãe de ver sinais de sucesso: pojadura, bebê saciado e ganhando peso está diretamente relacionada à sua capacidade de relaxar, já que a tensão é muito prejudicial. Àqueles que se dedicam a ajudar uma mãe a amamentar, mais um lembrete: é essencial ela acreditar em seu provável sucesso!

O que vocês acham foi determinante no sucesso desta mãe?

Anúncios

Tags: , , , , ,


%d blogueiros gostam disto: