Faltam 14 dias…

by

Apoio à amamentação

 

Cada vez mais acredito que o melhor apoio que podemos ter é o apoio intrínseco, fortalecendo nossas convicções e opções por amamentar. Desta forma, apesar do incômodo, a falta de apoio alheio não modifica suas ações. Amamentei meu primeiro filho por nove meses baseado nas informações limitadas que eu tinha na época. Eu estava vulnerável ao que os outros acreditavam e me ensinaram.

Hoje, grávida de 8 meses, continuo amamentando minha segunda filha que completou dois anos em maio. E amamento, com ou sem apoio, pois ampliei minhas informações e sensibilizei minhas percepções sobre amamentação. 

Mas não nego que o apoio trás um conforto e uma sensação de ter aliados para seguir a luta.

Recentemente em uma viagem profissional a uma cidade pequena da Itália, senti isso na pele. Cada vez que amamentava minha filha em público, me sentia alvo de olhares de reprovação, nem por isso pensei em não amamentá-la mais, porém pensei em evitar aqueles olhares. Mas, antes de me esconder para amamentar, uma mulher se aproximou de mim após o término da amamentação e me disse cheia de alegria “Você está de parabéns, essa é coisa certa!!!!”

Esse apoio simples e inesperado foi o empurrãozinho que me fez seguir amamentando em público, não me sentindo mais incomodada com os olhares alheios!

Ana, na foto com Franciska

Anúncios

Tags: ,

2 Respostas to “Faltam 14 dias…”

  1. Sylvana Says:

    É, acho que todas nós que amamentamos além dos 6 meses somos alvo de olhares reprovadores. Meu filho tem 1 ano e 6 meses e ainda mama!
    Parabéns pra nós!

  2. Nelia Says:

    Ana, parabéns!! Que bênção estar grávida e ainda amamentando!!! Espero ter essa sorte. Como Sylvana, tenho um filho de 1 ano e 6 meses (nasceu dois dias depois do dela, na mesma cidade e com as mesmas médicas, num lindo parto na água) que mama muuuuito, e também sou alvo de comentários e olhares reprovadores. Mas a sociedade sempre criticará, e pobre de quem quiser agradá-la. Vai enlouquecer.
    O que acredito que devemos fazer é o que você disse: buscar informação e querer o melhor para nós e nossos filhos. Estar com a consciência tranqüila!!
    Beijos

Comentários encerrados.


%d blogueiros gostam disto: